Juíza bate martelo e manda reter parte dos dízimos da Igreja Mundial

Devido a problemas financeiros a Igreja Mundial pode ir à falência

Armação dos Búzios, 13 de maio de 2022 – Está semana a justiça de São Paulo decidiu reter 25% da renda da Igreja Mundial do Poder de Deus. A decisão foi tomada pela juíza Ana Cláudia Guimarães e Souza. O fato ocorreu devido ao resultado de um processo movido contra a igreja, onde o proprietário de um imóvel alugado pela igreja ficou quase dois anos sem receber aluguel.

O valor que a igreja deve pagar ao locador é de mais ou menos 117 mil reais. E para ter certeza do pagamento a juíza decretou que um administrador vá até à igreja e fique esperando a reunião acabar. Após os dízimos serem entregues imediatamente será o 25 % dos valores recebidos dos fiéis.

Leia a seguir: frei que atropelou ladrão estava com a carteira vencida a 2 anos

Crise ameaça falir e fechar os templos da igreja

A Igreja Mundial do Poder de Deus vem passando por uma crise financeira desde o início da pandemia do COVID19 e vem sofrendo diversos processos o que só agravou a sua situação. Devido a isso está semana chegou a público mais uma das consequências deste fato.

Pois, por decisão da juíza Ana Cláudia Guimarães e Souza a igreja terá de retirar 25% dos dízimos e ofertas e dar ao proprietário onde o imóvel está sublocado. Ademais para garantir que sua decisão seja cumprida a juíza designou um administrador para ir nas reuniões. O mesmo irá ficar esperando até o momento em que os fiéis contribuírem com os dízimos e as ofertas.

Sendo 25% retirado na hora para ressarcir o dono do imóvel com aluguel em atraso. Desse modo depois de dois anos sem pagar aluguel o montante devido era de quase 21.000 reais. Referente a dois anos de atrasado. Mas com juros e ressarcimento o valor ficou estipulado pela justiça em 117.000 reais.

Os templos da Igreja Mundial estão fechando as portas

O apóstolo Valdemiro Santiago chegou a assinar um acordo em 2019 de que iria pagar os valores devidos, mas não pagou. Durante uma das audiências, ele disse em petição que com a pandemia a renda caiu. Sedes estão fechando que aumenta as dificuldades.

“A igreja não pode cumprir as promessas feitas porque não há entrada de dinheiro hoje”, disse o apóstolo na época. Entretanto, em anexo ao processo, na sequência do despacho de penhora, a Igreja Mundial disse que está decisão criou grandes problemas para as suas operações, “o que pode agravar muito a crise e levá-la à falência perante outros credores”.

Conforme a defesa feita pela igreja, o valor pago neste processo pode até “inviabilizar a continuação das atividades da igreja” e afetar a “sobrevivência” da mesma. O juiz discordou do argumento e manteve a ordem de apreensão, mas a igreja, que afirma ter cerca de 6.000 templos, ainda tem direito de apresentar um novo recurso.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceitar Leia Mais